Ácido úrico

  • By
  • On 1st julho 2014

Que enfermidade é a gota?

É uma enfermidade conhecida já na antiguidade que se caracteriza por episódios de dor intensa, inchaço, vermelhidão, grande sensibilidade ao toque e aumento da temperatura local em uma ou mais articulações por causa da deposição de sais de urato no interior das mesmas.

Por que se produz?

Os cristais de urato formam-se quando os níveis de ácido úrico no sangue são elevados (hiperuricemia). Embora a hiperuricemia é frequente (7% da população), só uma minoria chega a formar cristais e sofrer a gota. A persistência da hiperuricemia provoca mais ataques, que afetam cada vez mais articulações. Se através do tratamento os níveis de ácido úrico reduzem a valores normais, os cristais dissolvem até desaparecer, e com eles a possibilidade de sofrer novos ataques de gota.

Esta situação resulta de uma alteração no metabolismo do ácido úrico, um produto da degradação das purinas que são constituintes dos ácidos nucleicos, material genético que se acumula no salgue (hiperuricemia). Quando ultrapassa determinados valores (6 mg/dl para a mulher e 7 para o homem) é depositado nas articulações, tecidos moles e trato urinário em forma de micro cristais de uratos, que são os responsáveis do inchaço e da dor. Na maior parte dos casos, a hiperuricemia acusante da gota deve-se a uma dificuldade do rim de eliminar o ácido úrico.

Por que incide em homens jovens?

É mais frequente nos homens que nas mulheres antes de terem a menopausa pela proteção dos estrogênios. O protótipo de paciente que sofre o primeiro episódio de gota é um homem entre 30 e 40 anos, quase sempre com sobrepeso.

«A gota tem certo componente familiar e provavelmente transmite-se algum componente genético que intervém na pior eliminação de ácido úrico através da urina.  Isto provoca um aumento do nível do ácido úrico no sangue que, se persiste no tempo, deposita em forma de uratos nas articulações e tecidos periarticulares e é então que acontece o ataque de gota», explica Mercedes Jiménez Palop, reumatóloga do hospital Puerta de Hierro de Madrid e coordenadora de Gota da Sociedade Espanhola de Reumatologia.

A alimentação

cerveza y ácido úricoA alimentação influi de um modo determinante na manutenção dos níveis de ácido úrico no sangue e na aparição dos ataques de gota. É importante moderar as proteínas de origem animal, exceto no caso dos derivados lácteos: «As pessoas que comem muita carne vermelha, peixe gordo, mariscos, carne de caça selvagem ou vísceras, aumentam a produção de uratos. Porém, já se viu em muitos estudos que as frutas, os legumes e os produtos hortícolas não influem praticamente no aumento do ácido úrico porque não têm quantidades importantes em purinas». É por isso que é recomendável seguir uma dieta mediterrânea baseada principalmente no consumo de proteínas de origem vegetal.

Com o controlo da dieta consegue-se uma diminuição da hiperuricemia de aproximadamente 1 gr/dl, similar à que se obtém com a dose mínima da medicação utilizada para o tratamento.

Para além de controlar a alimentação, deve moderar-se o consumo de álcool e fundamentalmente das bebidas cujo teor de álcool seja alto, pois contribuem à hiperuricemia porque diminuem a eliminação de ácido úrico pela urina. Porém, é verdade que o vinho tinto bebido moderadamente não provoca variações nos níveis de ácido úrico no sangue, diz o especialista. Não é o caso da cerveja, que até sem álcool e apesar da sua origem vegetal, pode ser um desencadeante da crise devido a que o lúpulo, o seu principal ingrediente, é rico em purinas, alerta Jiménez Palop.

Mesmo os refrigerantes podem piorar esta patologia porque contêm frutose como edulcorante, que incrementa o nível de ácido úrico no sangue. É por isso que o verão é uma época na qual a gota apresenta-se com mais frequência, pois «com o calor perdemos mais líquido e, quando as condições de pH e hidratação das articulações são alteradas, pode acontecer um ataque». O sedentarismo, junto com os níveis altos de ácido úrico, incrementa o risco da aparição da síndrome metabólica (triglicérides altos, hipertensão arterial e hiperglicémia) que tem relação com doenças cardiovasculares. Por conseguinte, a prática de exercício físico e uma dieta equilibrada permitem às vezes o controlo de esta patologia.

Fonte: abc.es/salud

De acordo com o professor Adolfo Fernández Rodríguez, do ponto de vista dietético deveremos dar preferência aos vegetais (com exceção da couve-flor e dos espargos), o pão e a pasta, enquanto deveremos restringir as gorduras. Limitar ou suprimir as carnes (de caça) e as vísceras, os cogumelos, os enchidos, o cacau e as bebidas alcoólicas (principalmente a cerveja devido ao lúpulo). Isto deve-se a que estes alimentos são ricos em purinas que, no metabolismo orgânico, se transformam em ácido úrico.

Fonte: jimena.com

Reumatólogos do Hospital Geral de Valencia alertaram do aumento de episódios de gota no verão, um problema que sofre o 0,5% da população masculina maior de 40 anos, e recomendaram evitar o marisco e a cerveja, mesmo sem álcool. O chefe do serviço de Reumatologia do centro sanitário, Javier Calvo, explicou num comunicado que para evitar os ataques de Gota é recomendável beber mais de dois litros de água no dia para eliminar o ácido úrico. Também aconselha não ficar muito tempo sem comer, manter o peso adequado e controlar o consumo de alimentos ricos em purinas. As purinas estão em todos os tecidos do corpo e também em muitos alimentos como o fígado, o marisco, feijões, carnes ou vísceras animais, e no álcool. De acordo com Calvo, existem tratamentos eficazes mas é preciso que o paciente colabore para controlar a dieta e, neste sentido, diz que deve evitar o consumo de qualquer tipo de álcool.

«Especialmente deve procurar não consumir cerveja, mesmo sem álcool, pois o seu contido em purinas que elevam o ácido úrico no sangue, influi negativamente no paciente» afirma.

Fonte: diário de la información.com

Podemos, então, afirmar que as cervejas sem lúpulo podem ser menos nocivas e prejudiciais para aquelas pessoas que têm esta doença, sempre no consumo responsável?

Sem sermos especialistas no assunto e a partir da análise de diferentes artigos, gostaríamos de deixar a porta aberta aos amantes da cerveja que sofram ácido úrico para que, no caso de desejo, tenham a opção de escolher uma Gruit. As cervejas Gruit têm vários estilos elaborados SEM LÚPULO: Wit, Blon, Amber e Bruin.