A cerveja na pirâmide nutricional

  • By
  • On 28th abril 2014

A Dieta Mediterrânea mostrou os seus grandes e variados benefícios através de numerosos estudos clínicos e epidemiológicos, que levaram a considerá-la como um fator protetor em muitos processos, como as doenças cardiovasculares, determinadas neoplastias, algumas doenças neurodegenerativas e mais o próprio envelhecimento.

Já nos anos 50, uma equipa de investigação dos Estados Unidos começou a utilizar o conceito de Dieta Mediterrânea, estabelecendo uma relação direta entre dieta e saúde, pois constataram que a população que seguia esses hábitos alimentares mostrava uma incidência baixa em determinadas doenças.

A Dieta Mediterrânea é, possivelmente, o conceito dietético e nutricional mais difundido tanto entre a comunidade científica como entre os consumidores. É por isso que é importante mostrar quais são as características básicas desta dieta e não há melhor maneira que expressá-lo graficamente através da Pirâmide Alimentar da Dieta Mediterrânea.

cerveza y nutrición

  • Na sua base, temos alimentos ricos em carboidratos como o pão, o arroz, cereais integrais e outros grãos inteiros. No segundo degrau, temos as frutas e os produtos hortícolas, seguidas do azeite, que é o protagonista da alimentação no Mediterrâneo. No seguinte degrau temos os lácteos, o vinho e a cerveja (consumo opcional e só em pessoas adultas) que devem ser consumidos com moderação; embora todos os alimentos que temos nomeado até agora são de ingestão diária, deve fazer-se em proporções adequadas. A lembrar sempre que o consumo excessivo de álcool é prejudicial para a saúde, o consumo moderado de bebidas fermentadas pode fazer parte de uma alimentação saudável dentro da Dieta Mediterrânea atual, pelas propriedades da baixa graduação que têm e as matérias primeira com as que se elaboraram. Por este motivo, a Sociedade Espanhola de Nutrição Comunitária (SENC) inclui na Pirâmide da Alimentação Saudável –a principal referência em matéria nutricional do nosso país- as bebidas fermentadas (cerveja, vinho, cava ou sidra) de forma opcional e moderada. Sem esquecer, porém, que os efeitos benéficos destas bebidas são observados só quando o consumo é moderado e responsável por parte de adultos com boa saúde e uma alimentação equilibrada. Se por acaso consumem fármacos, devem guiar ou no caso das mulheres grávidas, o consumo deve ser nulo.
  • Na segunda secção da pirâmide temos aqueles alimentos que devem ser consumidos entre 2 e 4 vezes por semana, como por exemplo o peixe, as nozes, os legumes, ovos e carne de aves.
  • No extremo da pirâmide situam-se aqueles alimentos o consumo dos quais tem de ter uma frequência mensal, isto é, devem ser consumidos poucas vezes ao longo do mês. Este é o caso das carnes vermelhas, os doces e outras fontes de açúcar ou gorduras saturadas.

Se observamos a pirâmide da Dieta Mediterrânea, vemos que se trata de uma dieta completa que fomenta as gorduras saudáveis, os alimentos de origem vegetal ou a fibra, prevenindo as carências nutricionais. É por isso que ilustra uma dieta sã que ajuda a nossa saúde na prevenção de doenças, déficit e excessos.

Contudo, não podemos esquecer que um estilo de vida saudável não só se consegue com uma dieta adequada, mas com atividade física, ausência de adições e um descanso correto para aliviar o stress.